Cadastre-se para receber meu e-book!

Categoria, RECONHECENDO

SERÁ QUE O PESO QUE VOCÊ CARREGA NÃO É CRIADO POR VOCÊ MESMO?

28 de junho de 2016
duvida

É impressionante o quanto a gente se prende a detalhes tão irrelevantes durante o nosso processo produtivo.

Não sei se você já foi assim, mas eu, durante a minha vida toda, trouxe um peso enorme para tudo que eu me dedicava. A sensação que eu tinha era a de que só valia a pena se fosse sacrificante. E ao mesmo tempo, inconscientemente, eu afastava tudo que vinha fácil pra minha vida. Olha o contrassenso! Sim, eu repeti esse comportamento por muitos anos e desde um pouco antes de começar a transição da minha carreira, eu pensava:  “As coisas vão ser mais fáceis, até mesmo porque eu vou fazer tudo que eu amo”. E, de repente, eu já estava fazendo tudo que sempre quis…mas, adivinhem, com MUITO PESO!

Vi que tinha prazer, mas estava num nível de esgotamento grande e revi todo o meu comportamento na vida e pensei: “Por que as coisas são tão difíceis pra mim?” E a resposta que a minha linda mente me trouxe, através de uma intuição enquanto eu meditava às 06 horas da manhã foi: “Não são as coisas que são pesadas! Você é quem cria essa carga toda e se alimenta dela”.

Sabe quando você tem uma sensação de susto? Porque eu sempre consigo perceber isso na vida das pessoas e as ajudo a sair desse ciclo, mas como eu não tinha percebido isso? Como eu, tão consciente e tão atenta aos meus comportamentos, não tinha tido essa clareza? Bom, vamos pular essa parte em que precisei ser gentil e compreensiva comigo mesma. Mas para os curiosos, a relação entre mim comigo mesma já está bem de novo…rs.

E foi então quando eu me dei conta de como eu ia criando dificuldades e obstáculos pra concluir as minhas tarefas, desde as mais simples, até as mais complicadas (coitadas, essas precisavam até de um gerenciamento de projeto de tão complexas que eu as tornava). E o que eu percebi foram 2 principais pontos que sustentavam este comportamento:

1 – Perfeccionismo

2 – A crença de que eu só seria digna de ter um retorno positivo daquilo que fazia, somente mediante muito sacrifício e dificuldade (este eu dissolvi com a minha linda EFT – Emotional Freedom Technique e com induções de hipnose)

E resolvi colocar um ponto final nessa minha história com a busca pelo perfeito. E vi que a minha necessidade de reconhecimento quando pensava: “O que os outros vão achar de mim?” ou “Será que estou oferecendo o suficiente” só me faziam me desconectar de mim mesma. Porque assim, eu tirava o foco de mim, do que era importante pra mim, e daquilo que eu gostava efetivamente e deslocava para os outros: “Será que vão gostar?” “Será que vou conseguir ajudar as pessoas?” “Será que….isso? Aquilo?” Chega!

Isso tudo foi me levando para um lugar que eu não gostei de chegar, ainda mais fazendo o que eu amo, tendo todo o ambiente que eu sempre quis na vida…mas com peso? Não fazia sentido!

E foi aí que assumi mais uma vez, o comando da minha vida, tudo que faço para ajudar as pessoas, eu usei a meu favor. Usei todos os recursos que tenho aprendido com a Psicologia Positiva:

– Aprendendo a me dar Permissão para Ser Humana! Porque então não me permitir ser quem eu sou? Porque não me acolher mesmo quando eu não me sinto 100% segura? E assim, fui voltando o foco pra mim: comecei a fazer as coisas com o meu coração, como sempre quis fazer e como sempre tentei. Comecei a me permitir fazer o suficiente e não tudo que não dou conta.

– Outro ponto foi a me nutrir de momentos de recarga (recuperação): Passei a me dedicar a momentos em que eu me recarregava: crossfit, meditação, exercícios de respiração, estar com meus pais, passear com meu namorado, fazer comidinhas gostosas e saudáveis, ler…Isso tudo me possibilitou me nutrir e a me recarregar. E assim, poder voltar para as minhas atividades com motivação e energia.

– Adotei o “Zoom-out” (sabe quando você tira o zoom da câmera para ver o todo?) e comecei a perceber a minha situação de forma global e desconectada. Eu vi que todo aquele esforço, nível de detalhes e parâmetros de exigências eram em vão. E comecei a curtir os meus momentos produtivos com muito prazer. E consequentemente, com leveza!

Zoom out

Fonte: http://joao-photo.blogspot.com.br/2010/11/paning-e-zoom-in-e-zoom-out.html

– Errar para aprender! Além disso, tenho feito um trabalho grande em compreender que faço tudo com amor, responsabilidade e dedicação, se por ventura, eu falhar, está tudo bem! A Psicologia Positiva encara os erros como engrandecimento, onde aprendemos falhando também, então porque não usar os erros como oportunidade de aperfeiçoamento? Essa forma de pensar e agir tem mudado muito a minha relação comigo mesma.

E assim fui voltando ao meu equilíbrio, à minha essência. Agora, você me pergunta: “Então, agora você está pronta e não precisa fazer mais nada?” Não, claro que não! A manutenção dos nossos comportamentos saudáveis e positivos que vão nos sustentar para manter e criar a vida que desejamos!

24b40c0d-ed7e-478a-a01f-830058a1751e
Fonte: Roberto Benatti

E eu te pergunto: O QUE VOCÊ TEM FEITO PARA TE AJUDAR A EQUILIBRAR E A TRAZER LEVEZA PARA SUA VIDA?

Fonte da primeira foto: http://www.luizgsvieira.com.br/empresa-auto-gerenciavel-e-missao-qual-a-relacao/

Se você quiser receber o meu post diretamente no seu email, se inscreva no meu canal! Te vejo semana que vem 😉

Você também pode gostar de

2 Comentários

  • Reply Ana Paula 1 de julho de 2016 at 11:15 am

    Olá, parece que foi escrito para mim! Adorei! Estou num momento da minha vida precisando de mudar em muitas áreas, mas sinto que a principal mudança deve ser em mim!!! Vou reler e reler!!! Grata pelo texto!!!
    Bjs Ana Paula

    • Reply repage 1 de julho de 2016 at 11:56 am

      Ei Ana Paula, que bom você por aqui! Que legal saber que vc se identificou com o que escrevi. E acreditamos na mesma coisa, toda transformação vem de uma mudança inteior. E é o que tenho buscado pra mim! Desejo que essa fase da sua vida seja cheia de boas surpresas porque o principal você já possui: vontade de evoluir, agora é só agir! <3 Obrigada você pela companhia!

    Deixe um comentário